Ulti Clocks content
World News


Há situações semelhantes que colocam as crianças em perigo e, até agora, ninguém se pronunciou sobre elas Stampa E-mail
Scritto da Umberto Renda   

'Supernanny' dissecado por advogado e psicóloga: "Abusivo" mas "legal"

 Estarão os direitos das crianças efetivamente salvaguardados no programa ‘Supernanny’ exibido na antena da SIC? Terão os pais o direito de expor a imagem dos filhos perante a opinião pública? Estas são algumas das questões que o Notícias ao Minuto pretendeu responder em conversa com Frederico Marcos Assunção, advogado sénior da Dantas Rodrigues & Associados, e com Joana Alves Ferreira, psicóloga n'O Canto da Psicologia.

 A polémica que tem girado em terno do programa ‘Supernanny’, recorde-se, começou a escrever-se logo após a transmissão do primeiro episódio. E são várias as instituições dos diversos quadrantes da sociedade que têm manifestado a sua discordância com o formato do programa.

Com efeito, a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens (CNPDPCJ) veio a público defender que o formato televisivo em questão comporta um “elevado risco” de “violar os direitos das crianças”, sendo "manifestamente contrário ao superior interesse da criança, e podendo até produzir efeitos nefastos na sua personalidade, imediatos e a prazo".

Por sua vez, a Unicef Portugal e a Ordem dos Psicólogos Portugueses também se posicionaram nesse sentido. Aliás, a Ordem recordou, inclusive, que já tinha emitido um parecer negativo sobre o programa em março de 2016. O Instituto de Apoio à Criança (IAC) foi ainda mais longe e apresentou uma queixa à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) com vista à suspensão do programa da SIC por considerar, entre outros aspetos, que contribui para que as crianças "deixem de se sentir protegidas".

Ora, para o causídico Frederico Marcos Assunção, apesar de se discutir a alegada violação do direito da imagem e do bom nome das crianças, o enquadramento legal, tal como está formulado, “não está atualizado de forma a responder a estas novas situações. Neste momento, a lei apenas exige que, quando exista intervenção num programa deste género ou similar, a participação das crianças seja devidamente autorizada pelos pais”. O problema está, acrescenta o advogado que se tem dedicado particularmente ao Direito da Família, em perceber “dentro de que limites é que este cenário poderá acontecer”. Como há “uma lacuna da lei neste sentido, não se pode dizer que no programa ‘Supernanny’ a lei não esteja a ser cumprida porque os pais autorizaram. No meu ponto de vista, esta é uma questão essencialmente de ética”, defende.

Existe, porém, um diploma “direcionado para as crianças que estão institucionalizadas”, a Lei de proteção de crianças e jovens em perigo, em que o legislador “previu esse tipo de situações, no sentido em que compete aos pais autorizarem certas medidas que coloquem em causa os direitos dos filhos, mas depois há uma comissão que pode agir” e impor um limite.

 Frederico Marcos Assunção recorda ainda que “há situações semelhantes que colocam as crianças em perigo e, até agora, ninguém se pronunciou sobre elas". Como por exemplo? "Falo concretamente de programas televisivos de culinária, onde as crianças vão confecionar alimentos usando, para tal, facas, fogão e forno, ou ainda de programas de talentos onde as crianças são humilhadas por não saberem cantar ou dançar".

Já no entender da psicóloga Joana Alves Ferreira,"tornar pública e a uma escala mediática aquilo que é a vida privada e íntima de uma família e, em especial de uma criança, terá sempre repercussões", pois o "mediatismo em nada protege os direitos das crianças, em nada protege aquilo que é ser criança".

"O custo que terá para estas famílias e crianças é impagável. Tudo isto me parece demasiado violento", afirma.

Considerando que existe, de facto, uma necessidade por parte dos pais de serem apoiados e ajudados na tarefa de educar, Joana Alves Ferreira defende que se possa falar do assunto na comunicação social numa vertente pedagógica. "Ter uma função pedagógica seria pensar estas questões, discuti-las e nunca entrar na vida privada das pessoas, sobretudo quando se trata de crianças. Um programa nestas condições não faz sentido, este registo parece-me completamente despropositado", frisa.

 Nesta senda, a especialista considera mesmo "abusivo" que se exponha a intimidade de uma criança e diz-se "preocupada com o que ela poderá perder, pois poderá sentir-se estigmatizada, observada, alvo de olhares críticos", uma exposição que, garante, "não é benéfica nem para a criança, nem para a família". "A existência deste programa ilustra e retrata uma necessidade de se pensar a parentalidade, a saúde mental da família, mas neste formato é uma inversão total de qualquer coisa que podia ser construída de forma positiva", faz sobressair.

Sobre Teresa Paula Marques, a psicóloga que dirige o programa, Joana Alves Ferreira diz que está no programa "como uma personagem". No entanto, defende que apesar de "ali estar como uma personagem, não deixa de estar a representar a função de um psicólogo".

PGR atenta, SIC irredutível

Regressando ao domínio jurídico, a dimensão do tema levou inclusive a Procuradoria-Geral da República (PGR) a abrir um “processo de promoção de proteção a favor da criança na Comissão de Proteção de Crianças e Jovens”. A PGR adiantou, à Lusa, que o Ministério Público está a acompanhar “a atividade da Comissão”, no sentido de salvaguardar a proteção dos direitos das crianças.

Conforme noticiou o jornal Expresso, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Loures quer que a SIC retire do ar “todas as imagens que expõem a criança retratada no segundo episódio de ‘Supernanny’ e, em articulação com o Ministério Público, deu 48 horas à SIC para o fazer.

A SIC, por sua vez, afirma “que vai manter a exibição do programa”, estando, por isso, o próximo episódio agendado para este domingo. Para a estação televisiva, “a vertente pedagógica [do programa] é fundamental para um debate necessário - (…) e alargado à sociedade portuguesa – sobre questões como a educação familiar e a parentalidade”.

Refira-se que o formato ‘Supernanny’, emitido em 15 países, tem retratado casos de crianças indisciplinadas para as quais a ‘ama’ propõe soluções para contornar a situação.

 
Monument is more than 2,800 years old and believed to be largest in region Stampa E-mail
Scritto da Umberto Renda   

Ancient ‘frozen’ tomb of Scythian Prince found in Siberia

 

An untouched frozen burial mound believed to contain the remains of a Scythian royal as well as gold treasures has been discovered in Siberia.

The monument is more than 2,800 years old and is thought to be the largest Scythian princely tomb in the region.

The Scythians were nomadic warriors who originally lived in what is now southern Siberia.

Their culture flourished from around 900 BC to 200 BC, by which time their influence had been felt across Asia to the northern Black Sea.

Although they did not build settlements, the Scythians left behind large burial mounds preserved in Siberia’s permanently frozen soil, which archaeologists have explored to uncover more about them, alongside accounts by Greeks, Assyrians and Persians.

Researcher Dr Gino Caspari, from the University of Bern in Switzerland, believes he has found the earliest Scythian tomb deep in a swamp in the Russian republic of Tuva.

He made the discovery while studying satellite images of the Uyuk Valley, sometimes referred to as the Siberian Valley of the Kings due to the high number of tombs there.

Dr Caspari identified a circular structure located in a swamp along the Uyuk River and working with a Swiss-Russian team, confirmed it was likely to be a Scythian burial mound called a kurgan.

The earliest princely tombs consist of a stone packing with a circular arrangement of chambers. The walls of the chambers are made of larch logs.

Scythian burial objects typically include jewellery, pots, weapons and horse's harnesses.

Wooden beams found by Dr Caspari during the test excavation date back to the 9th century BC, predating kurgans previously uncovered and excavated in the 1970s.

According to the researchers, the tomb’s inaccessible location in a swampy terrain saved it from being looted.

“No other frozen kurgans of this size are known in Eurasia,” Dr Caspari and the researchers wrote in a paper published in the journal Archaeological Research in Asia.

“It is, however, also in danger because with the global rise in temperature these treasures are in immediate risk of being lost. Large excavation campaigns need to be carried out throughout the next years to excavate the complete object and preserve the knowledge we can gain from it.”

Between 2001 and 2004, a German team of archaeologists discovered an undisturbed burial chamber in a mound known as Arzhan 2, containing the richest collection of artefacts ever found in the Eurasian steppe.

More than 1,000 gold objects, including a solid gold necklace belonging to a Scythian prince, had been placed with the two corpses in the tomb’s main chamber, in addition to weapons, pots and horse harnesses.

Dr Caspari said in a statement he expects further finds to be unearthed in the recently-discovered mound: “If we’re lucky, we might even find some well-preserved wood carvings or carpets under the stones, or perhaps an ice mummy.”

 

source  independent.co.uk

 
POLICE have responded to reports of an explosion inside an apartment building in Malmo, Sweden. Stampa E-mail
Scritto da Umberto Renda   

Malmo rocked by ‘explosion’ as police bomb squad seal off apartment complex

 

The alarm was raised after a suspected explosion at 23.27pm local time, 22.27 (GMT).

An ambulance was called after a woman experienced breathing difficulties at the scene, related to the incident.

Malmo Police said: ”On site, we have found damage to two apartment doors and a lift.”

The explosion is believed to have taken place in the stairwell of the apartment building.

Local police do not know the cause of the explosion and have called in the national bomb squad for advice.

No suspicious packages or items were seen in the stairwell before the explosion.

Police said they were talking to witnesses and the incident is likely to be deemed an act of “gross public delinquency".

 

Malmo Police officer Daniel Jonasson said: “It was a big bang. We can not say exactly what kind of charge, but it's no small banger or something like that.

"We have heard a lot of people, but nobody is arrested or retrieved.”

The explosion comes just weeks after a nightclub was devastated by a detonation in the Swedish town.

The bomb squad responded to the explosion at the Babel nightclub on November 3.

 
Um único Bitcoin obteve US $ 16.340 nesta sexta-feira Stampa E-mail
Scritto da Umberto Renda   

Bitcoin e demais moedas marcaram novos recordes

 

O setor de criptografia aproximou-se de um valor total de US$ 3 a US$4 trilhões, nesta sexta-feira, marcando um novo recorde de ativos virtuais, mesmo que a unidade virtual número 1, Bitcoin – BTCUSD -, alta de 13,10%, tenha começado a primeira semana de 2018 em queda.

O mercado total de moeda virtual subiu para cerca de US $ 780 bilhões intraday. Esse é um recorde, mas relativamente pequeno em comparação com as moedas e outras commodities tradicionais, como o ouro, US$1 trilhão de ativos de mais de US $ 6 trilhões, mas aproximando o setor cibernético de um nível que sugere estar atraindo muito mais compradores institucionais.

Um único Bitcoin obteve US $ 16.340 nesta sexta-feira, quase 8%, de acordo com o site de pesquisa e notícias CoinDesk.com, destacando um ressurgimento recente pelo Bitcoin que o ajudou a diminuir a fraqueza precoce no início do ano, mesmo com moedas rivais, incluindo a Ether, Ethereum, atingindo a máxima histórica acima de US $ 3,85 e US $ 1.000, respectivamente, antes do fechamento.

Ainda assim, a Bitcoin permanece cerca de 20% de desconto no ápice de meados de dezembro, perto de US $ 20.000 e caiu para uma participação de mercado de 36% em relação aos seus rivais, em comparação com uma participação máxima acima do pico recente no início de 2017 de 86%, de acordo com o site de dados CoinMarketcap.

 

Fonte  https://www.ultimoinstante.com.br

 
Steve Bannon said a June 2016 Trump Tower meeting between the president's eldest son and a Russian lawyer was "treasonous" and "unpatriotic," Stampa E-mail
Scritto da Umberto Renda   

Bannon: 2016 Trump Tower meeting was 'treasonous'

 

(CNN)Former White House chief strategist Steve Bannon called the 2016 Trump Tower meeting between Trump campaign officials and a Russian lawyer purportedly offering damaging information about Hillary Clinton "treasonous," according to a new book obtained by The Guardian.

The book, "Fire and Fury: Inside the Trump White House" by Michael Wolff, is based on hundreds of interviews, including ones with President Donald Trump and his inner circle. According to the Guardian, Bannon addressed the June 2016 Trump Tower meeting between Donald Trump Jr., then-campaign chairman Paul Manafort, Jared Kushner and Russian operatives that was arranged when Trump Jr. agreed to meet a "Russian government attorney" after receiving an email offering him "very high level and sensitive information" that would "incriminate" Clinton.
"The three senior guys in the campaign thought it was a good idea to meet with a foreign government inside Trump Tower in the conference room on the 25th floor -- with no lawyers. They didn't have any lawyers," Bannon continued, according to the Guardian. "Even if you thought that this was not treasonous, or unpatriotic, or bad s***, and I happen to think it's all of that, you should have called the FBI immediately."
Bannon also reportedly told Wolff: "They're going to crack Don Junior like an egg on national TV."
The White House declined to comment Wednesday about Bannon's reported assertions.
Bannon also reportedly told Wolff that special counsel Robert Mueller's investigation into the Trump campaign's potential ties to Russia is centered on money laundering, saying that the White House is "sitting on a beach trying to stop a Category Five" hurricane.
 
"You realize where this is going ... This is all about money laundering. Mueller chose (senior prosecutor Andrew) Weissmann first and he is a money-laundering guy," Bannon reportedly said. "Their path to f***ing Trump goes right through Paul Manafort, Don Jr., and Jared Kushner ... It's as plain as a hair on your face."
Bannon said he believes Kushner, the White House senior adviser and the President's son-in-law, could be convinced to cooperate if Mueller probes his financial records.
"They're going to go right through that. They're going to roll those two guys up and say play me or trade me," Bannon is reported as saying, apparently referring to Trump Jr. and Kushner.
The Trump Tower meeting has been of intense interest to the congressional Russia investigators as well as Mueller.
Trump Jr. testified before House investigators last month but would not say what he and his father discussed after reports surfaced about the meeting, citing attorney-client privilege.
 
<< Inizio < Prec. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Succ. > Fine >>

Pagina 5 di 222

Notizie Flash

Asino volante.

 

Leggi tutto...

Meteo Roma

Joomla Templates by Joomlashack

We use cookies to improve our website and your experience when using it. Cookies used for the essential operation of the site have already been set. To find out more about the cookies we use and how to delete them, see our privacy policy.

I accept cookies from this site.

EU Cookie Directive Module Information